20 de abril de 2014

Tropas do Sul ficarão no RJ até o fim da Copa

Tanques no Rio até o fim da Copa
Tropas do Sul do país reforçarão a segurança no Complexo da Maré e protegerão a Linha Vermelha, com acesso rápido ao Maracanã, a partir de 31 de maio
Novo blindado do Exército, Guarani será empregado no RJ (Imagem: IVECO)
Luiz Carlos Azedo
Tropas e blindados do Rio Grande do Sul e do Paraná serão deslocados para o Rio de Janeiro a pretexto de garantir a pacificação do Complexo da Maré, a partir de 31 de maio, e permanecerão na cidade até o fim de julho, ou seja, após a Copa do Mundo, sob responsabilidade do Comando Militar do Sul. O general de brigada Mauro Sinott Lopes, comandante da 6ª Brigada de Infantaria Blindada ("Brigada Niederauer"), localizada em Santa Maria (RS), assumirá o comando da Força de Pacificação, que terá a estrutura de uma Brigada, com 2.100 homens.
A operação faz parte da estratégia do Palácio do Planalto para garantir a realização da Copa do Mundo, sem maiores transtornos, o que influi mudanças na legislação penal para punir com maios rigor manifestantes que utilizarem a violência e praticarem atos de vandalismo. O emprego de tropas do Sul dificulta o acesso dos traficantes às informações. Na última quarta-feira, a presidente Dilma Rousseff, durante a 42ª reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o apelidado "Conselhão", no Palácio do Planalto, afirmou que não permitirá que a Copa do Mundo de 2014 seja "contaminada" por eventuais episódios de violência e prometeu "segurança pesada" durante o período.
A utilização de tropas do Sul do país para conter distúrbios não é novidade na história do Brasil — vale lembrar que foram os soldados gaúchos que derrotaram e massacraram os jagunços de Antônio Conselheiro na quarta campanha da Guerra de Canudos, sob comando do general Carlos Machado Bittencourt. Estão sendo empregadas com base no novo conceito de "Operações no Amplo Espectro" desenvolvido pelo Exército, que inclui "operações ofensivas, defensivas, de pacificação e apoio a órgãos governamentais ou autoridades civis, no mesmo espaço físico, de forma simultânea ou sucessiva". Esse conceito foi incorporado à legislação de "Garantia da Lei e da Ordem", que substitui a velha doutrina de segurança nacional do regime militar, que via manifestações populares como "subversão" e seus líderes, como "inimigos internos".
O Exército pretende deslocar 800 homens de Santa Maria (grupo de comando, um batalhão de pacificação e destacamento logístico); e tanques de Santa Rosa (um esquadrão de cavalaria mecanizada), no Rio Grande do Sul; e blindados sobre rodas de Cascavel (dois pelotões de infantaria mecanizada), no Paraná; além de dois batalhões da Brigada de Paraquedistas e um batalhão de fuzileiros navais do Rio de Janeiro, que já estão na Maré. Pela primeira vez, serão utilizados os 13 veículos blindados de transporte de tropas sobre rodas Guarani recém-entregues ao Batalhão de Infantaria Mecanizada de Cascavel, que são considerados um meio ideal para operações de pacificação. O governo encomendou a fabricação de 2.044 blindados dessa série para reaparelhar o Exército.

Haiti é aqui
Desde o último dia 30, 2,5 mil homens do Exército, Marinha e Polícia Militar, com o apoio de 20 blindados, já ocupam o conjunto de favelas do Complexo da Maré, onde vivem 130 mil pessoas, às margens das Linhas Vermelha e Amarela e a Avenida Brasil, principais vias de acesso ao Rio de Janeiro. A experiência adquirida em missões de paz no Haiti já foi usada antes nos Complexos do Alemão e da Penha e nas favelas da Rocinha e do Vidigal.
Mais da metade dos soldados e oficiais que participam dessa operação já estiveram no Haiti e foram treinados no Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), criado em 2005, na Vila Militar, em Deodoro, no Rio de Janeiro. Centro de referência internacional para esse tipo de operação, no local há um simulador para treinar patrulhas e uma equipe realizam estudos sobre o chamado "transtorno de estresse pós-traumáticos" — perturbação psíquica causada pela ansiedade — , que atingem entre 8% e 10 % dos soldados nesses tipo de operações e são a principal causa de incidentes graves envolvendo inocentes.

800
Quantidade de homens do Exército de Santa Maria (RS) que serão deslocados para o Rio de Janeiro.
CORREIO BRAZILIENSE, via resenha do EB/montedo.com

Japão faz primeira expansão militar em mais de 40 anos

Nobuhiro Kubo
Grupo de ilhas disputadas, Uotsuri, Minamikojima e Kitakojima, conhecido como Senkaku no Japão e Diaoyu na China, no Mar Oriental da China, em foto tirada pela agência Kyodo, setembro de 2012
A estação de radar militar em Yonaguni faz parte de um plano antigo para melhorar a defesa e vigilância, dá ao Japão a possibilidade de acompanhar movimentos de ilhas japonesas que são reivindicadas pela China (foto)
YONAGUNI, Japão, 19 Abr (Reuters) - O Japão começou a sua primeira expansão militar na parte ocidental de seu arquipélago em mais de 40 anos neste sábado, instalando uma estação de radar em uma ilha tropical próxima a Taiwan.
O movimento pode irritar a China devido a disputas entre os dois países sobre o domínio de algumas ilhas.
O ministro da Defesa japonês, Itsunori Onodera, que participou da cerimônia na ilha de Yonaguni para marcar o início da construção da instalação, sugeriu que a presença militar poderia ser ampliada para outras ilhas nos mares do sudoeste das principais ilhas japonesas.
"Esta é a primeira implantação desde que os EUA devolveram Okinawa (em 1972) e crescem as demandas para ficarmos mais atentos", afirmou Onodera a repórteres. "Quero construir uma operação capaz de defender adequadamente as ilhas que fazem parte do território do Japão".
A estação de radar militar em Yonaguni faz parte de um plano antigo para melhorar a defesa e vigilância, dá ao Japão a possibilidade de acompanhar movimentos de ilhas japonesas que são reivindicadas pela China.
Construir a base poderia estender o monitoramento japonês sobre o continente chinês e acompanhar navios chineses e aviões circulando sobre as ilhas em disputa, chamadas de Senkaku pelo Japão e de Diaoyu pela China.
Com 30 quilômetros quadrados, Yonaguni é o lar de 1.500 pessoas e conhecido por forte licor de arroz, pecuária, cana-de- açúcar e mergulho. A decisão do primeiro-ministro Shinzo Abe de colocar tropas no local evidencia preocupações do Japão sobre a vulnerabilidade de suas milhares de ilhas e a ameaça da China.

Rússia reforça presença militar na fronteira com Ucrânia

Segundo Moscou, a medida será tomada por precaução, mas Kiev teme que seja uma estratégia para ocupar leste ucraniano. Pró-russos insistem em ignorar acordo para paz na região e não entregam armas.
Nas regiões de crise, não há sinal do acordo, acertado entre Ucrânia e Rússia há apenas dois dias, para colocar fim à tensão entre grupos pró-russos e o governo em Kiev. Enquanto os separatistas se recusam a baixar as armas e deixar os prédios públicos ocupados em várias cidades no leste ucraniano, Moscou confirmou que vai reforçar o número tropas na fronteira russa com a Ucrânia, como precaução para o caso de um aumento da violência.
Cerca de 40 mil soldados estão sendo deslocados para a região, segundo a Otan. Kiev receia que, assim como fizeram com a Crimeia, os russos ocupem áreas no leste da Ucrânia de olho em uma futura anexação.
O Ministério ucraniano do Exterior anunciou que representantes da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) desembarcarão em breve na Ucrânia para avaliar o cumprimento do acordo, mediado pela União Europeia e pelos Estados Unidos. Eles deverão ainda estabelecer as medidas a serem tomadas para o arrefecimento na violência na região.

Bloqueio da mídia
Na cidade de Kramatorsk, um grupo de militantes pró-russos tomou neste sábado (19/04) o controle da torre de televisão, interrompendo a transmissão dos canais ucranianos e conectando a televisão russa. "Os moradores de Kramatorsk não querem ver a televisão ucraniana, que não para de nos insultar e de nos chamar de separatistas", afirmou um integrante do grupo militante à agência de notícias russa RIA-Nóvosti.
Também em Slaviansk, os cerca de 120 mil habitantes têm acesso apenas a transmissões de canais russos, apesar de a Justiça ucraniana ter proibido essas emissões, devido à propaganda russa em prol do separatismo no leste.
Em outra provocação a Kiev, militantes separatistas iniciaram os preparativos para a celebração da Páscoa ortodoxa junto a barricadas montadas do lado de fora de prédios públicos ocupados por eles em mais de dez cidades do leste. Segundo Denis Pushilin, porta-voz da autodeclarada República Popular de Donetsk, os insurgentes só deixarão os edifícios depois que o governo interino da Ucrânia deixar Kiev.
O ministro ucraniano do Exterior, Andriy Deshchytsia, anunciou uma espécie de "trégua de Páscoa" aos manifestantes, garantindo que não haverá qualquer repressão contra os grupos no domingo.
Numa tentativa de amainar os ânimos, a ex-primeira-ministra e candidata a presidente da Ucrânia Yulia Timoshenko conclamou representantes dos partidos em conflito a participarem de uma mesa redonda, a fim de discutir o fim da crise no país e prevenir uma divisão. A data para o encontro ainda não foi marcada. Pushilin disse que seu grupo poderia participar do debate.
Pró-russos mantêm prédios ocupados em várias cidades do leste ucraniano
Cobrança de dívida
Há semanas Moscou vem pedindo que os ucranianos discutam seus problemas internamente e insiste que não está por trás dos movimentos separatistas, embora Kiev e países ocidentais acusem o Kremlin de querer desestabilizar a Ucrânia, instigando a insurgência pró-russa.
Neste sábado, o presidente russo, Vladimir Putin, voltou a pedir que a Ucrânia quite a dívida de 2,2 bilhões de dólares acumulada com a companhia Gazprom pelo fornecimento de gás natural. Putin afirmou em entrevista a um canal estatal de televisão neste sábado que seu país não pode bancar "45 milhões de pessoas", acrescentando que aguardará apenas mais um mês para receber o montante. A partir de então, só fornecerá gás à Ucrânia mediante pagamento antecipado.
A pressão de Putin pelo pagamento da dívida, em um momento em que a Ucrânia atravessa sérias dificuldades políticas e financeiras, ajuda a aumentar ainda mais a tensão na região. Apesar disso, o chefe do Kremlin afirmou acreditar que seu país vai voltar a ter boas relações com o Ocidente. Os EUA, porém, ameaçam os russos com sanções, caso a situação no leste ucraniano não se normalize em breve.
DW/montedo.com

19 de abril de 2014

Após greve da PM na Bahia, Dilma pode enviar Exército para outras sedes da Copa

Greve da PM na Bahia estaria motivando Dilma a enviar o exército para as ruas de Cuiabá
Greve da Polícia Militar na Bahia foi marcada por ruas vazias e saques a lojas em Salvador
Greve da Polícia Militar na Bahia foi marcada por ruas vazias e saques a lojas em Salvador (Foto: Lúcio Távora/Agência A Tarde)
Katiana Pereira
Após a greve geral deflagrada pela Polícia Militar do estado da Bahia, o Palácio de Planalto estaria monitorando o risco de novas greves de policiais militares em estados que irão sediar partidas da Copa do Mundo, entre eles Mato Grosso, Rio Grande do Norte e Amazonas. A informação é da coluna Painel, do jornal Folha de São Paulo, que revelou ainda que uma das alternativas seria o envio de tropas do Exército para atuar na segurança.
Em Mato Grosso, a informação já começou a circular por meio de mensagens trocadas via aplicativo WhatsApp. No entanto, nenhuma fonte oficial confirmou a situação, que seria ordem expressa da presidente Dilma Rousseff, segundo a publicação na coluna Painel.
Durante os quase dois dias de greve no estado Bahia – movimento que foi encerrado nesta quinta-feira, 17 – foram registrados casos de desordem, saques e uma onda de violência. Só na Grande Salvador, o número de homicídios contabilizados nesse período, relacionado à falta de policiamento nas ruas, chegou a 59 durante a greve - seis vezes mais do que normal, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública. Foram registrados ainda nas delegacias um total de 159 roubos de veículos durante a paralisação da Polícia Militar da Bahia. A média diária desse tipo de crime é de 30.
A greve acabou após um acordo entre o governo e os grevistas. Foi concedido um aumento de 6% aos policiais por meio do reajuste de uma gratificação por trabalho especial - o salário-base de um PM na Bahia é de R$ 2,3 mil. Além disso, o governo aceitou rever o plano de cargos e salários da polícia e a proposta de Código de Ética da PM, que havia sido enviado à Assembleia.

Bahia: soldadinhos se dando bem...

Turistas tietando soldados do Exército no Pelourinho (Edilson Lima | Ag. A TARDE)

Helicóptero do Exército foi atingido por tiro na favela da Maré

Um helicóptero do Exército foi atingido por um disparo durante sobrevoo na favela da Maré, na última quarta-feira (16). O tiro danificou uma das pás da aeronave. A peça para substituição veio da base da Aviação do Exército em Taubaté (SP). A tripulação nada sofreu.

Show!!!

Banda do 3º Batalhão de Polícia do Exército no shopping Praia de Belas, em Porto Alegre


Vídeos do Sargento Gesiel Pereira

Rede militar na Internet. Uma análise. Você faz parte disso.

A rede militar na internet tem crescido em tamanho, estima-se que juntos, os principais sites recebam cerca de 600 mil acessos mensais. Um número que não é de se desprezar. Levando-se em consideração que os artigos são repetidos por centenas de sites, blogs e facebook acredita-se que as leituras mensais de artigos voltados para o assunto ultrapassem a casa dois 3 milhões de leituras.

Portal Militar – (militar.com.br) Portal de Blogs, muita informação útil e muita informação inútil, links para outros sites e um depósito de blogs. A maioria dos artigos são citações e cópias de sites como Revista Sociedade militar e Montedo. O Portal ocupa ainda o primeiro lugar no google na palavra militares. Acreditamos que tem em média 7.000 visualizações por dia. Portanto, é o site mais acessado voltado para o público militar. O site oferece espaço para blogs de particulares e pede doações para a manutenção. O site também vende espaço publicitário a preços módicos e geralmente apresenta anúncios de empréstimos para militares e advogados. Não encontramos página do militar no facebook.

Blog do Montedo – (Montedo.blogspot.com) O blog do Montedo é conhecido por sua ponderação. O montedo sempre acerta em cheio em publicar e concentrar as principais notícias de interesse do público militar nacional. O editor também repete notícias publicadas em grandes veículos, e é muito habilidoso e sensato em tecer comentários certeiros sobre a situação atual dos militares. Há artigos inéditos elaborados pelo editor e colaboradores, principalmente em relação a evasão das forças armadas. O site preza pela honestidade e é engajado na luta pela valorização da categoria militares das forças armadas. As notícias em relação ao soldo dos militares veiculadas pelo Montedo são replicadas por centenas de blogs pelo Brasil afora. O montedo.com já foi citado pelo Ministério da Defesa e revista Veja Online e, pela sua própria estatística recebe cerca de 6 mil acessos diários. O montedo tem vínculo com o facebook, o link é https://www.facebook.com/montedocom e tem cerca de 600 seguidores.

Revista Sociedade militar – (militar.com.br) Site voltado para questões políticas envolvendo os militares. Fala também sobre direitos humanos, geopolítica e segurança pública. A maioria dos artigos são inéditos e de autoria dos colaboradores. A revista tem entre os articulistas alguns generais, praças e civis, como médicos e advogados. Por isso tem um público diversificado, não somente militar. Se apresenta como uma publicação “de direita” e ultimamente, por ter cedido espaço para alguns generais se manifestarem sobre a revolução de 1964, tem sido atacada por articulistas famosos, como Nassif e Rodrigo Viana. O site não oferece espaço para blogs e não pede doações. Atualmente divide com o Montedo o segundo lugar entre os sites direcionados ao público militar. A revista parece ter em média 6 mil acessos diários e tem página no facebook, o link é https://www.facebook.com/SocMilitar e tem mais de 7 mil seguidores.
Há alguns sites que tratam de questões logísticas, de armamento etc., não nos referimos a esses por crermos que o futuro do país é decidido no âmbito político.
Há uma tendencia clara de que os militares brasileiros se politizem cada vez mais, é certo que nesse ano buscarão tenazmente a formação de uma bancada no congresso e assembleias estaduais. A rede militar na internet é indispensável para essa conquista.
Blog SAR O Brasil precisa de você/montedo.com

Nota do editor:
Grato, pela parte que me toca.

Dia do Exército: sem título, sem autor, extraordinário.

Recebi na área de comentários, sem título, sem autor. Talvez, por isso mesmo, extraordinário.
Parabéns a cada militar que está de serviço neste momento, puxando o seu quarto de hora, comendo a sua carne de monstro, perdendo o seu feriado na Maré, na Bahia, em outros cantos do país e aqueles que estão se preparando para amargar na Copa do Mundo. Parabéns, também, para aqueles que estão contando os centavos para comprar um ovo de páscoa de 80 g para os filhos. Estes não aparecerão em nenhuma foto de galeria e jamais sairão no NE mas traduzem perfeitamente o significado da palavra HERÓI.

Anônimo disse:
Texto escrito há dois:
“Eis o 19 de abril e não temos nada para comemorar. Talvez Guararapes tenha sido a primeira experiência da comunhão dos vícios das raças que formam esse país: a indolência do índio, a subserviência do negro e a estupidez do branco, unidos pela cobiça, pelo interesse ou pela desesperança. Eis "nosso estado que não é nação" protegido por soldados inermes, não apenas de armas, mas de idéias. Servindo sob a sombra de uma bandeira cujos verde e amarelo tremulam desbotados, o azul turva-se em chumbo, cor dos céus nebulosos que pairam sobre nós, e o branco assume um tom vermelho, cor que impregna a política deste "impávido colosso". Poucas vezes cantei tão triste a canção que diz: "nós somos da pátria a guarda, fiéis soldados por ela amados". A fidelidade à pátria não é discutível ao lembrarmos o juramento que cada um fez na inocência de recruta, aluno ou cadete. Mas com o tempo essa inocência se esvai, na velocidade em que as contas se acumulam e o consignado lhe cobra o preço da fidelidade jurada. "Por ela amados?" O tratamento à saliva ministrado pelos jovens aos velhos militares da reserva no último dia 31 de março, no Rio de Janeiro, talvez ilustre o amor que pátria vem reservando aos seus fiés soldados, de ontem e de hoje. Cantei triste e marejaram-me os olhos ao entoar: "Amor febril; Pelo Brasil; No coração Nosso que passe". E sinto a língua de camões me trair, abrindo mão das possibilidades semânticas, ao comparar o amor a uma febre, desejando que o meu coração cure-se dessa doença, que esse amor simplesmente passe. E toda essa sucessão de desmandos e abandonos nos remete à possibilidade de "darmos por ela a vida" fazendo-lhe uma "oferta igual(?) de amor filial" e assim salvando-a, mas salvando-a de quem? Quem é o inimigo que ameaça o nosso "símbolo de amor eterno". Viria ele das fronteiras de além mar, ou de terras bolivarianas? Creio que o inimigo esteja deitado em berço esplêndido, a manipular da justiça a clava forte, na iminência de golpear quem adora o Brasil, não a própria morte mas à própria morte. Nesses 364 anos de Exército Brasileiro, dos quais participei pouco mais de 15, apesar de não ser incipiente na vida castrense, creio ser insipiente nas lides com os sentimentos ao não compreender o porquê de dar a vida com amor à pátria que me espezinha e ainda assim ver rebrilhar a glória. Deveria eu dar a minha vida à pátria por ser militar ou por ser brasileiro? Nossa abnegação ultrapassa as barreiras da hierarquia e da disciplina e nos mantém em silente espera, rememorando a glória no passado que não nos garantirá a paz no futuro. Neste 19 de abril verei a Bandeira ser hasteada com o peso colossal das mágoas daqueles que a honram e verei ainda, a distribuição de medalhas cujo brilho áureo foi ofuscado pela vergonha carmim que se abate sobre nós. Ouvirei a leitura de uma ordem cujas palavras ao mesmo tempo soam rebuscadas e vazias pois ferem-me os ouvidos mas calam-se em minha alma. E sentirei a paixão de recruta que me fez querer ser militar e ainda, por mais que tentem matá-la, ainda me faz figurar nas fileiras deste nobre Exército Brasileiro.”

Parabéns a cada militar que está de serviço neste momento, puxando o seu quarto de hora, comendo a sua carne de monstro, perdendo o seu feriado na Maré, na Bahia, em outros cantos do país e aqueles que estão se preparando para amargar na Copa do Mundo. Parabéns, também, para aqueles que estão contando os centavos para comprar um ovo de páscoa de 80 g para os filhos. Estes não aparecerão em nenhuma foto de galeria e jamais sairão no NE mas traduzem perfeitamente o significado da palavra HERÓI.

BRASIL!!!

EB Oficial

Santa ceia...


Agora vai: etapa de alimentação dos milicos sobre para R$ 6,40!

Ministério da Defesa reajusta valor do auxílio alimentação dos militares das Forças Armadas

Por intermédio de uma portaria, o Ministério da Defesa alterou para R$ 6,40 o valor da etapa comum de alimentação dos militares das Forças Armadas. O montante corresponde à importância paga em dinheiro para custeio da alimentação diária do militar.

Comentários do CAB
Chega a ser inacreditável o pagamento de um valor deste para a alimentação diária. Que tipo de comida é possível comprar com apenas R$ 6,40? Quantas refeições este militar conseguirá fazer com um auxílio desse porte? Como as forças armadas podem exigir que seus militares permaneçam saudáveis e em forma se não fornecem sequer as condições necessárias para uma alimentação digna?
Canal Aberto Brasil

Bolsonaro: 'Celso Amorim é uma piada!'

Um passeio por Pasadena, onde R$ 1,9 bilhões do nosso dinheiro estão enterrados - ops! - aplicados.

video
Veja/montedo.com

A censura como ela é

Só idiotas úteis ainda não entenderam que o controle da opinião pública exercido no tempo dos militares através de medida administrativas oficiais e explícitas se transformou nos tempos de ditadura petista naquele “poder onipresente e invisível” preconizado por Antonio Gramsci.

Ministro Thomas Traumann pressionou SBT para calar Sheherazade. Reunião foi em Brasília com o “companhêru” Marcelo Parada. Cadê o escândalo na imprensa? Cadê as manchetes nos jornais?

Felipe Moura Brasil
Notícias da TV apurou que a medida [de cortar os comentários da apresentadora Rachel Sheherazade] foi tomada sob pressão do governo federal. Há duas semanas, [o diretor de jornalismo do SBT] Marcelo Parada se reuniu em Brasília com o ministro da Secretaria de Comunicação Social [Secom], Thomas Traumann. Na ocasião, Traumann manifestou desconforto com os comentários de Sheherazade. O ministro controla as verbas do governo federal, que investe cerca de R$ 150 milhões em publicidade por ano no SBT. (…)
Thomas Traumann é o ex-porta-voz da Presidência que, no começo deste ano eleitoral, substituiu Helena Chagas na Secom. A avaliação era que Traumann ”tem perfil mais agressivo e mais afinado com o ex-ministro Franklin Martins”, que coordena a área de comunicação da campanha de Dilma Rousseff e é conselheiro do Instituto Lula.
Só fico imaginando a doçura e a delicadeza com que um petista de perfil agressivo, afinado com o homem que luta pelo “controle social da mídia”, manifesta a um “companhêru” como o coordenador da campanha passada de Dilma, Marcelo Parada, o seu “desconforto” em relação a uma apresentadora que critica o partido de ambos na emissora cujo jornalismo este dirige. Longe de mim crer que a mãe de Sheherazade foi homenageada…
Dilma e Thomas Traumann- Por obeséquio, companheiro Parada, o senhor poderia conversar com esta moça e pedir-lhe gentilmente que pegue mais leve em suas críticas ao governo? Não creio que elas sejam justas, de modo que me sinto um tanto quanto desconfortável. O senhor me faria este favor?”
- Mas é claro, companheiro Traumann, estou certo de que ela entenderá…
- Puxa vida, companheiro Parada, não sei como agradecer-lhe. O companheiro Lula vai ficar satisfeitíssimo de ver mais embasamento por parte dela ao zapear para o SBT.
- Minhas saudações ao presidente, digo, ex-presidente. Até a próxima.
- Até.
Lindo, não? Mas volto à realidade. Helena Chagas sofria um intenso bombardeio dos “blogs sujos” e dos veículos oficialistas, que cobravam mais verba oficial para prestar seus servicinhos. Após o anúncio de sua saída, “motivada por pressões do PT” e “pelo desgaste da falta de transparência com a agenda da presidente Dilma na polêmica ‘escala técnica’ da comitiva presidencial em Lisboa”, ela escreveu no Facebook que “a distribuição da publicidade oficial, que envolve dinheiro público, não pode se transformar em uma ‘ação entre amigos’”.
Deu para entender por que Helena sofria pressões (dos amigos) do PT? Ok.
E quem dizia que a comunicação do governo era “uma porcaria” e que “O Lula mantinha uma canalização de recursos para alguns blogs, mas a Dilma cortou tudo”? Ele mesmo: André Vargas, o petista hoje famoso pelo escândalo da Petrobras. Quando Helena saiu, Vargas comemorou: “Não gosto dela. A Helena foi pro pau! Beleza.” Um doce, não?
Helena, na verdade, entregou sua carta de demissão no dia 30 de janeiro, surpreendida com o vazamento da notícia de que seria substituída. Pouco mais de uma semana depois, em 7 de fevereiro, seu pai, Carlos Chagas, foi um dos três comentaristas demitidos do SBT.
Isso mesmo: coincidências da ditadura petista.
Em 2011, quando o ministro das Comunicações Paulo Bernardo falou que nenhuma proposta que ameaçasse a liberdade de expressão seria apoiada pelo governo Dilma e “o projeto de Franklin Martins está enterrado”, ele também foi atacado por dirigentes petistas – como o negador das Farc no Foro de São Paulo, Valter Pomar – que o acusaram de ter mais afinidade com as grandes redes de TV do que com o partido.
Martins, para se ter uma ideia, deixou de falar com Bernardo por causa disso.
Mas com a sua volta ao comando, trazendo Traumann para a Secom, a ala “mais agressiva” do PT se tranquilizou e os blogs companheiros celebraram. Paulo Nogueira, aquele que me chama de “o reaça-engraçado”, considerou Traumann “uma excelente aquisição” para a Secretaria. Seu irmão e colega de “Diário” Kiko Nogueira, aliás, foi um dos nove “blogueiros progressistas” que participaram da “entrevista dos camaradas” com Lula no último dia 8. Miguel do Rosário, que julgou na época a demissão de Chagas e o retorno de Martins ao núcleo “uma excelente notícia, em todos os sentidos!”, também foi um dos entrevistadores.
Aloysio Nunes Ferreira, líder do PSDB no Senado, já protocolara um requerimento pedindo a Traumann [ouça aqui] informações sobre as verbas oficiais destinadas àqueles “veículos de comunicação que são descaradamente patrocinados pelo governo, por empresas estatais, por órgãos da administração direta, cuja função é repercutir a mensagem política do PT, especialmente na difamação daqueles que se opõem ao atual governo”. Agora o Globo tentou desvendar o segredo, mas a prefeitura de São Paulo avisou que o valor pago pelos anúncios nos blogs é uma informação comercial que não costuma ser divulgada para veículos concorrentes.

“Ação entre amigos” é assim: fica só entre “amigos”.
Com a liberação do dinheiro dos brasileiros – inclusive dos que não votaram no PT – para os “blogs sujos” e as ameaças de corte do dinheiro das estatais para emissoras como o SBT, sem contar a infiltração de militantes em todas as grandes redações, o controle petista da mídia já vai funcionando como pode, embora os líderes do partido queiram sempre mais um bocado.
Rachel Sheherazade foi calada por pressão de Traumann, o companheiro de Martins – o conselheiro de Lula. Se fosse uma esquerdista, o mundo midiático teria caído em cima do governo supostamente reacionário, com manchetes em letras garrafais no alto das primeiras páginas. Como é uma reacionária, na definição rodrigueana de quem reage contra tudo que não presta, as mídias anestesiadas, infiltradas e patrocinadas pelos agentes do Foro de São Paulo preferem dar destaque às censuras de 50 anos atrás.
Só idiotas úteis ainda não entenderam que o controle da opinião pública exercido no tempo dos militares através de medida administrativas oficiais e explícitas se transformou nos tempos de ditadura petista naquele “poder onipresente e invisível” preconizado por Antonio Gramsci.
E só os militantes (ou ameaçados) para se recusar a ver censura quando ela mesma se escancara.
- Até a próxima.
Veja/montedo.com

Protetor auricular

Arquivo do blog